O que está por trás da crescente desigualdade nas escolas da Suécia?

O que está por trás da crescente desigualdade nas escolas da Suécia?

11 de maio de 2019 Off Por Mateus Matos

O foco deste artigo é sobre os estudantes de toda a Suécia que iniciam um novo ano acadêmico, porque a área em que esses alunos vivem e as famílias de onde os alunos nasceram afetam sua educação mais do que nunca na Suécia, e o que está sendo feito para resolver o problema.

Cada criança na Suécia tem o direito a uma educação igual, afirma a Lei Nacional de Educação. Mas isso está longe da realidade. A área onde a criança mora e a escola que frequentam a partir dos sete anos tem um impacto cada vez mais significativo nos resultados dos exames, alertou a Agência Nacional de Educação (Skolverket).

A ideia de que uma criança deve ter um futuro que deseje, independentemente do seu CEP ou do seu background familiar (rica ou pobre), sempre foi um dos pilares da educação sueca. Já em 1842, a Suécia tornou a escolaridade obrigatória uma parte fundamental do sistema de assistência social, em um esforço para reduzir o impacto do background socioeconômico no sucesso futuro, e a proporção do PIB gasto em educação tem sido consistentemente alta.

Mas hoje os resultados variam entre diferentes escolas e áreas. “Temos escolas com uma alta concentração de crianças com origens desfavorecidas; escolas com uma alta proporção de alunos recém-chegados, cujos pais têm um nível educacional mais baixo. E quando você tem uma concentração muito alta de alunos com esses desafios, torna-se difícil para a escola compensar isso “, diz Peter Fredriksson, chefe da Skolverket a uma entrevista a respeito ao jornal sueco.

“Não é um fenômeno novo. A segregação residencial sempre existiu e isso levou a escolas com diferentes grupos de estudantes e diferentes desafios”, acrescenta. “Mas nos últimos anos tivemos um aumento nas diferenças entre os diferentes grupos da sociedade, e isso tem sido exacerbado através de certas reformas. Portanto, os desenvolvimentos na sociedade em geral e no sistema escolar nas últimas décadas aumentaram a segregação – é difícil afetar o desenvolvimento da sociedade, mas podemos e devemos olhar como nós construímos e organizamos as escolas para que possamos ter mais de uma mistura de grupos de estudantes “.

A título de curiosidade, o mesmo modelo de vouchers, implantado há algumas décadas no Chile, também gerou índices altíssimos de desigualdades. O Chile, na América do Sul é um dos campeões nesse quesito da avaliação do PISA 2015, mesmo há mais de 30 anos em vigor.

A livre escolha (Fria Skolvalet)

Mudanças dramáticas no sistema educacional ocorreram durante a década de 1990. O primeiro governo neoliberal da Suécia aprovou várias reformas destinadas a tornar as escolas mais rentáveis, competitivas e eficientes. O controle passou do governo central para os municípios, enquanto as friskolor (escolas charter, ou escolas de aluguel) administradas independentemente receberam permissão para receber financiamento público em troca de seguir a política nacional de educação (os conhecidos vouchers da educação). Em 1992, foi introduzido o fria skolvalet (livre escolha de escola), permitindo aos pais escolherem livremente a escola que frequentavam e concedendo financiamento com base no número de alunos matriculados em cada instituição.

Ann-Sofi Rosenkvist/imagebank.sweden.se

Outros países observaram essas mudanças com muito interesse. O Reino Unido introduziu escolas charter inspiradas na Suécia e a Finlândia, cujas escolas agora superam as da Suécia, também se inspirou em seu vizinho nórdico. No início dos anos 2000, os estudantes suecos obtiveram pontuações elevadas nos rankings internacionais de educação TIMSS, PIRLS e PISA, com os suecos de dez anos como os melhores de todos os países participantes no estudo de alfabetização do PIRLS de 2001.

Quedas em sequência nos índices do PISA

Desde então, no entanto, os resultados caíram, com a maioria das classificações internacionais mostrando um declínio estável e de longo prazo. A OCDE descreveu a Suécia como tendo “perdido o rumo” após os resultados de 2013 (referentes a 2012) em seus rankings do PISA, quando a Suécia experimentou a queda mais acentuada nos resultados de qualquer país na pesquisa em um período de dez anos. Os últimos resultados, divulgados em 2016, mostraram uma reversão esperada para a tendência, mas a Suécia permaneceu apenas média em cada área.

Uma década de declínio da performance no PISA da Suécia.
Leitura em azul, Matemática em cinza e Ciências em roxo.

Os estudos TIMSS e PIRLS, realizados pela Associação Internacional para a Avaliação da Conquista Educacional (IEA), contam uma história semelhante.

Com a palavra o Dr. Dirk Hastedt, Diretor Executivo da IEA, que fala sobre os resultados da Suécia.

“As tendências para a Suécia não foram positivas por muito tempo”, disse Hastedt. “Foi um declínio de longo prazo. Em matemática e ciências, de 1995, vimos uma forte queda, mas entre 2011 e 2015 vimos uma mudança na tendência. O estudo de leitura, PIRLS, também mostra que de 2001 a 2011 a Suécia os resultados caíram, mas agora eles estão voltando novamente “.

Essas melhorias vieram como boas notícias para os educadores suecos e sugerem que uma série de medidas voltadas para a recuperação das escolas do país estão funcionando. Estes incluem a contratação de mais professores, atualizações do currículo, iniciativas para promover a alfabetização e mais tempo de ensino para a matemática.

Entretanto, os mesmos estudos destacam outro problema: o aumento preocupante da segregação nas escolas suecas.

“O que temos visto nos últimos quatro anos é uma tendência positiva no conhecimento e nos resultados, mas ainda não conseguimos quebrar os círculos viciosos da desigualdade”, disse o ministro da Educação, Gustav Fridolin, em entrevista a um jornal sueco.

As pesquisas mencionadas acima não apenas questionam os alunos sobre matemática, ciências (TIMSS e PISA) e leitura (PIRLS e PISA), mas também coletam informações sobre sua origem familiar, idioma nativo, acesso a recursos de aprendizagem, nível de educação dos professores e muito mais. Todos eles mostraram diferenças gritantes nos resultados de crianças de alto nível socioeconômico em comparação com seus pares menos privilegiados.

Uma crítica ao TIMSS, ao PIRLS e ao PISA é que eles não destacam os pontos fortes da Suécia: um foco amplo em muitas áreas diferentes e um foco na criatividade e no pensamento independente. Na pesquisa ICSS da IEA, que testa os estudantes sobre democracia e cidadania, os estudantes suecos ficaram em terceiro lugar e seus resultados também foram os mais aprimorados desde que a pesquisa começou em 2009. Altos resultados foram associados a uma maior probabilidade de participação em democracia e votação e uma menor probabilidade de envolvimento na criminalidade. Mas mesmo nessa pesquisa, os de famílias mais instruídas e abastadas tiveram um desempenho muito melhor do que os estudantes de origens menos favorecidas.

E o mesmo padrão é claro a partir dos resultados de estudantes suecos que se formaram na grundskola (a escola frequentada por alunos entre 6 e 15 anos). Para ser elegível para o ginásio (a escola secundária de três anos, oferecendo cursos preparatórios e vocacionais), os estudantes devem atender aos requisitos do programa, que variam, mas incluem sempre notas de aprovação em sueco, inglês e matemática.

Em 2017, houve uma queda geral na proporção de alunos que abandonaram a escola com notas elegíveis para o ginásio, com diferenças acentuadas entre diferentes origens socioeconômicas e áreas. Filhos de pais com maior nível de escolaridade eram muito mais propensos a se qualificar. Em muitas escolas nas áreas “especialmente vulneráveis” da Suécia – definidas pela polícia como áreas com baixo status socioeconômico e onde a criminalidade afeta a comunidade local – menos da metade dos alunos se qualificou para o ginásio neste verão.

Um desafio que as escolas suecas enfrentaram nos últimos anos é acomodar um grande número de refugiados recém-chegados e crianças migrantes, muitas delas sem nenhum conhecimento prévio de sueco.

Um relatório de 2017 mostrou que a diferença de desempenho entre os estudantes nascidos no exterior e os suecos nativos aumentou significativamente – mas o mesmo estudo mostrou que quase toda a diferença desapareceu quando o contexto socioeconômico e a vizinhança foram levados em consideração. Os resultados parecem refletir a diferença de pobreza na Suécia entre os nascidos na Suécia e aqueles nascidos em outros lugares, particularmente aqueles de fora da UE. Estima-se que um em cada três residentes não nascidos na UE esteja em risco de pobreza, tornando-se um dos países da UE com o maior hiato entre os residentes nativos e os nascidos fora da UE, em termos de risco de pobreza.

“É preciso começar com uma visão mais ampla, com o aumento geral da desigualdade”, diz Susanne Urban, pesquisadora da Universidade de Uppsala que estuda a segregação nas escolas e em diferentes áreas da sociedade. “Há um aumento na distribuição de riqueza desigual em toda a sociedade na Suécia e em outros países, e isso se reflete na segregação residencial e na segregação escolar.”

Discriminação e preconceito

No ano passado, o Ministro de Coordenação de Políticas da Suécia disse que o país precisava repensar completamente como ele trabalhava para combater e prevenir a segregação na sociedade como um todo. O governo introduziu uma nova autoridade de ‘anti-segregação’ e mais tarde anunciou uma estratégia de dez anos com políticas que abrangem habitação, mercado de trabalho e segurança, bem como escolas.

Um temor é que a desigualdade nas escolas acabe alimentando a desigualdade em outras áreas da vida. No início deste ano, uma professora de Gotemburgo fez um pedido de ajuda via Facebook depois de notar que seus alunos foram recusados ​​por experiência de trabalho (uma parte obrigatória do currículo sueco) quando potenciais empregadores descobriram a área de onde eram – um dos rotulados como ‘ especialmente vulnerável ‘.

Outra dessas áreas é Norsborg, uma área ao sul de Estocolmo, desenvolvida como parte do “Programa 1 milhão de lares” da Suécia, onde o diretor Jan Jönsson supervisionou uma notável reviravolta em seus cinco anos na Karsby International School. Os programas que a escola introduziu para melhorar o bem-estar dos alunos e um recente aumento nos resultados mostram como os professores podem lidar com circunstâncias desafiadoras e oferecer um futuro para as crianças que nasceram neles.

“Norsborg é uma área carente, com famílias principalmente de imigrantes. Há um alto índice de desemprego e várias dificuldades sociais, incluindo uma alta taxa de criminalidade. Quando eu comecei aqui, vi imediatamente que muitos alunos se concentravam mais em questões familiares do que em seus estudos. e também houve taxas muito altas de violência “, disse Jönsson em uma entrevista a um jornal sueco.

Durante seus primeiros três anos na escola, a prevenção da violência e o enfrentamento de suas causas foram o foco principal de Jönsson. Trabalhou com serviços sociais e polícia local e implementou um programa conhecido como MVP (Mentores na Prevenção da Violência em tradução para o português), desenvolvido nos EUA e na Escócia, onde os alunos mais velhos assumiram o papel de mentores para os mais jovens. A taxa de violência foi drasticamente reduzida, com resultados visíveis mesmo no primeiro ano – muito mais rápido do que o diretor se atreveu a esperar. Aclamada como uma história de sucesso, somente no ano passado a Karsby International School foi visitada por três equipes de TV e até mesmo pelo rei da Suécia.

Mas apesar de ter que preencher muito menos relatórios policiais para incidentes violentos, Jönsson não estava satisfeito.

“No início, não houve uma mudança real nas notas dos alunos. Pensei que talvez só tivéssemos conseguido ajudar a trazer para as crianças melhores valores e um ambiente seguro na escola, e não conseguido ajudá-los a ter um futuro melhor. Isso estava triste “, diz o diretor. “Mas agora podemos ver que a redução das taxas de violência liberou energia para a equipe se concentrar nos resultados dos estudos, em vez de trabalhar com conflitos”.

A melhoria nos resultados não veio automaticamente, e depois de abordar os problemas imediatos de violência e ruptura, a escola procurou novos métodos para aumentar o desempenho dos testes. O apoio financeiro extra do governo financiou dois conselheiros sociais adicionais, significando que a escola poderia ajudar mais estudantes ao invés de lidar apenas com situações de emergência, e também financiava mais professores de apoio, fornecendo apoio especializado para estudantes com diagnósticos como TDAH, autismo e dislexia.

Orçamento da Educação

Nos últimos anos, o financiamento governamental para as escolas tem sido cada vez mais pesado para oferecer mais apoio em áreas problemáticas, onde as taxas de dificuldades de aprendizagem e problemas de saúde mental são tipicamente mais altas que a média, exigindo mais pessoal de apoio.

O gasto público em educação, total (% do PIB) na Suécia, foi de 7,6812% em 2014, de acordo com a coleção de indicadores de desenvolvimento do Banco Mundial, compilada a partir de fontes oficialmente reconhecidas.

Outra questão que as escolas em áreas carentes enfrentam é que os alunos podem não ter a mesma motivação e apoio dos pais que os das áreas com maior nível socioeconômico, o que significa que as escolas precisam de esforços extras para compensar. Um passo que Jönsson introduziu foi o uso de mentores de turma para ajudar na motivação, concentrando-se nos meninos, que tiveram desempenho inferior nos testes em comparação com as meninas.

“Os mentores da turma encorajaram os meninos a estudar mais, a não se afastarem de quaisquer dificuldades, e estabelecemos ‘estações de controle’ durante o ano para checar com os alunos e como eles estavam fazendo, para fornecer estrutura e detectar problemas precocemente. , os resultados dos garotos cresceram muito e agora são muito bons para esse tipo de área “, diz Jönsson. No total, quase 80 por cento dos que abandonaram a escola em Karsby foram elegíveis para o ginásio este ano, em comparação com 60 por cento apenas no ano anterior.

Este é um resultado impressionante para os estudantes, mas ele observa que isso não necessariamente ajudará a acabar com os ciclos de segregação a longo prazo.

“Eu realmente acho que a segregação que temos entre as diferentes áreas em que as pessoas vivem será ainda pior”, disse o diretor ao jornal sueco. “Se a situação continuar se desenvolvendo como hoje, você terá grandes grupos de pessoas com renda mais alta que não vêem futuro aqui, farão tudo que puderem para sair, então teremos muitos apartamentos gratuitos nessas áreas, que provavelmente irá para novos imigrantes “.

Faltam professores

Há outra grande razão para Jönsson dizer que não vê uma luz no fim do túnel por “cinco a dez anos”: a falta de professores certificados.

Sindicatos e escolas têm soado o alarme sobre a escassez de professores na Suécia por vários anos como salários em queda (na década de 1960, os professores recebem aproximadamente o mesmo salário que os deputados, enquanto os últimos ganham em média o salário de um professor) e os ambientes de trabalho mais difíceis empurram mais pessoas longe da profissão. A Agência Sueca de Educação prevê um déficit de 80.000 professores em 2031, com áreas vulneráveis ​​provavelmente as mais atingidas.

Um diretor de uma outra escola em um dos subúrbios carentes da Suécia, Martin Malmberg, de Rinkebyskolan, na área do conselho da cidade de Estocolmo, compartilha a preocupação de Jönsson. Ambos os professores dizem que pode ser difícil atrair professores qualificados para empregos em áreas vulneráveis ​​e encorajá-los a permanecer no trabalho depois de contratados, o que tem um impacto na aprendizagem das crianças.

“Bons professores que demonstram entusiasmo e capturam os interesses dos alunos são extremamente importantes. Continuidade com o mesmo professor também é uma vantagem”, diz Malmberg, diretor da Rinkebyskolan, quando questionados sobre quais fatores são importantes para melhorar as notas dos alunos em áreas desfavorecidas.

Fredriksson, diretor geral da Agência Nacional de Educação, diz que essa luta piora o ciclo de segregação: “É um ciclo em que você fica preso: quanto mais segregação social existe, mais fortes são os efeitos disso. Essas escolas acham difícil recrutar professores e diretores, mas as escolas precisam de pessoas qualificadas para lidar com essas questões. É absolutamente crucial que incentivemos mais pessoas a treinar como professores e torná-la um trabalho atraente. “

Não é apenas o número total de professores, mas municípios diferentes têm taxas muito diferentes de professores certificados, com a diferença entre os municípios mais alta do que nunca este ano, variando de 91% (em Habo, Jönköping) a apenas 37% (em Ragunda, Jämtland) . Somente professores certificados podem aceitar contratos permanentes e atribuir notas independentemente.

Escolas em áreas com menor nível socioeconômico tendem a ter uma maior proporção professor-aluno, graças ao financiamento extra, mas também uma proporção menor de professores certificados. O sueco como segunda língua é um dos temas com menor índice de professores certificados, o que significa que os estudantes de origem imigrante podem ser particularmente afetados.

O governo destinou fundos adicionais para que as escolas em áreas com menor status socioeconômico possam contratar e reter mais professores, bem como contratar mais funcionários de apoio, incluindo assistentes de ensino e conselheiros escolares, para auxiliar o pessoal existente.

Mas há alguns aspectos do sistema educacional da Suécia que podem ter exacerbado o problema da desigualdade.

Uma das reformas mais controversas introduzidas nos anos 90 é o fria skolvalet. A ideia é que os pais possam escolher uma escola que melhor se adapte a seus filhos, talvez levando em conta a localização, as instalações e o foco no assunto. Todos os pais podem escolher qualquer escola que desejarem.

Escolha nem tão livre assim

Na prática, os pais que aproveitam essa opção tendem a ser os de nível socioeconômico mais alto, o que significa que as crianças de origens privilegiadas tendem a frequentar escolas mais competitivas e de alto desempenho, enquanto as crianças de menor nível socioeconômico têm maior probabilidade de frequentar a escola padrão, escola mais próxima. O pesquisador das escolas, Anders Trumberg, analisou o impacto da política de ‘livre escolha de escola’ desde que foi introduzido em 2004 e concluiu que estava contribuindo para a segregação por esse motivo.

Antes da eleição de setembro do ano passado, alguns dos partidos políticos da Suécia propuseram o abandono do skolvalet, enquanto outros pediam reformas no sistema. A Comissão da Escola, criada para investigar a desigualdade nas escolas da Suécia, recomendou que a escolha da escola se tornasse compulsória ao invés de opcional para garantir que famílias de todas as formações aproveitassem, uma sugestão elogiada pela OCDE.

No caso da Karsby International School, desde 2011, a proporção de estudantes que vivem na área de captação que escolhem ir para diferentes escolas duplicou (com muitos optando por escolas charter recém-inauguradas nas proximidades). No mesmo período, as notas médias na escola caíram, antes do aumento este ano. No ano acadêmico passado, houve um pequeno aumento nos pedidos, mas Jönsson disse que isso foi motivado por famílias de fora da área de influência.

“As pessoas que moram aqui tendem a pensar que é uma área ruim. Eu não acho que seja apenas com a escola, elas simplesmente não querem que seus filhos sejam criados na área por causa da reputação. Em vez disso, nós temos estudantes de distritos vizinhos que estão interessados ​​nesta escola “, disse ele.

Juntamente com o estabelecimento de novas escolas charter, isso dificultou as coisas para as escolas administradas pelo município em áreas como Rinkeby, onde mais da metade dos estudantes que moram na área deslocam-se para a escola em outro lugar.

“Temos muita competição, com muitas escolas charter em um raio de 15 minutos de Rinkeby. Algumas são administradas profissionalmente, mas também há algumas que prometem aos alunos a terra se eles apenas escolherem sua escola”, diz Malmberg, diretor do Rinkebyskolan. O local. “Permitir que tantas escolas sejam estabelecidas em uma área cria uma saturação excessiva que não beneficia ninguém.”

Urbano da Universidade de Uppsala diz que sua pesquisa sugere que tanto o skolvalet como o estabelecimento de escolas charter contribuíram para a desigualdade.

Ela explica: “De um lado, os alunos e as famílias decidem para onde ir e as suas escolhas aumentam a desigualdade porque as pessoas com uma base mais rica usam a oportunidade de escolher mais e escolhem escolas com uma reputação melhor. Então você recebe escolas para pessoas ricas. e escolas para pessoas pobres, e é um problema se as crianças crescerem e nunca encontrarem alguém de fora do seu próprio grupo social “.

“O outro problema é que o sistema significa que as escolas têm que competir pelos estudantes e gastam muito dinheiro e tempo no marketing de suas escolas.”

Urban também sugere que medidas mais diversas de qualidade escolar poderiam ajudar a combater a segregação. “Você costuma medir as notas e os resultados dos testes, mas se você observasse como os alunos estavam progredindo e se desenvolvendo, talvez você conseguisse outro mapa de sucesso.” Por essa medida, tanto a Karsby International quanto a Rinkebyskolan são histórias de sucesso, ambas relatando um aumento de 20 pontos percentuais na comparação ano a ano na proporção de alunos que terminaram o curso com notas elegíveis para o ginásio.

O diretor executivo da IEA alerta que não há maneira fácil de deduzir quais mudanças na política melhorarão o sistema.

“É muito difícil combinar a mudança de política com o resultado, geralmente as mudanças que você introduz impactam os resultados dos alunos em cinco anos, talvez até dez anos”, explica Hastedt. “Eu comparo isso a um grande navio no oceano – se você está indo em uma direção e depois muda, demora um pouco antes que você esteja realmente perto de um novo destino. Por exemplo, se você mudar um currículo, os professores precisam para ser ensinado como ensiná-lo e se acostumar com isso antes que ele realmente tenha um impacto “.

“Você também não pode simplesmente copiar e colar políticas educacionais de outros países – você realmente precisa analisar os dados, olhar para o seu próprio sistema educacional e ver o que mais ajuda”, acrescenta.

Otimismo

No entanto, como os outros especialistas que também foram entrevistados,
Hastedt é otimista em relação à capacidade da Suécia de melhorar, ressaltando que o país tem estado tradicionalmente muito disposto a participar de pesquisas internacionais. “Há enormes diferenças na disposição dos países em participar, para ministros pode ser uma notícia negativa, então é preciso muita coragem. A Suécia é muito aberta e vem participando desse tipo de estudo há muito tempo”, diz Hastedt.

Além disso, a Suécia tem os recursos para investir nas mudanças e tem aumentado o financiamento das escolas com foco nas escolas em áreas vulneráveis ​​que enfrentam desafios específicos.

O diretor da Karsby International, Jönsson, diz que, embora ele ache que as coisas poderiam piorar antes de melhorar, ele está esperançoso de que uma melhoria está chegando. “Eu posso ver que pelo menos uma vez, o governo e os municípios percebem que temos que fazer algo sobre essas áreas”, disse o diretor. “Há uma maior aceitação por dar financiamento extra para as escolas que precisam, e se isso for dado e usado com sabedoria, temos uma boa chance de melhorar e mudar as coisas. Mas isso levará muito tempo.”

Com informações:

Agradecimentos a Catherine Edwards